Psicodélica


Gesturing Goodbyes
janeiro 24, 2012, 2:37 am
Filed under: Clave de Fá

Reebs – Gesturing Goodbyes (Youtube link)

Mais uma música feita, dessa fez com um pouco mais de decência na edição de video. Eu coloquei alguns comentários na descrição do vídeo para os curiosos. Espero que curtam, é uma música antiga e querida que fala sobre transitoriedade. Beijos. =*

Anúncios


The T-Pain effect e a música moderna
fevereiro 26, 2010, 6:12 pm
Filed under: Clave de Fá, Nerd, Review

A Antares Audio Technologies certo dia criou o Autotunes, terror dos vocalistas afinados, salvador dos incompetentes – e uma ferramenta muito interessante para os oportunistas. O rapper T-Pain usou o Autotunes de uma forma diferente: Ao invés de otimiza-lo para correção do pitch de forma suave, ele alterou os padrões de correção para rapidos e escrachados, criando um efeito que todos nós conhecemos e muitos adoram. Vamos a um pequeno exemplo:

Download Reebs – Su E O

Sim, sou eu cantando, com uma voz terrivelmente desafinada – o que no casa, apenas acentuará a ação do autotune.

Download Reebs – Su E O

Esta segunda já é o arquivo tratado com o autotunes e com um pouco de reverb e delay. Aqui já dá para ver exatamente do que estou falando. Sim, sim… Justin Timberlake, 50 cents, Timbaland e até mesmo a Cher (que foi a primeira a usar a coisa, diga-se de passagem). Esse timbre pode ser ouvido com maior ou menor frequencia no trabalho de todos, especialmente no daquele irritante Kenny West! Sim, ele talvez seja o representante do ápice deste estilo de som do vocal robótico.

Download Reebs – Su E O

E finalmente o mesmo vocal, com um pouco de compressão e alguma besteira de bateria por trás. Ainda que o trabalho de Áudio por trás destes artistas seja brutalmente mais complicado que simplesmente isso, já é possível ter esperanças de lançar o seu próprio “Suuuuuicidaaal, suiiiicidal…” da vida.



Bar e Ética
outubro 26, 2009, 1:06 pm
Filed under: Clave de Fá, Outros

Vamos, de um município a outro, carregando equipamento, se comprometendo com o tal compromisso profissional, chegando adiantados para podermos armar todo o equipamento no bar, esperamos bem umas duas ou três horas para esperar o tal do Lyoto Machida ganhar uma luta depois de apanhar nos cinco rounds para podermos começar a tocar, armamos o material e…

O cara manda a gente embora, por que tava tarde e queria fechar o bar.

Eu era contratado pela banda. Recebi minha grana de qualquer jeito – por que, ao contrário da maioria dos donos de bar, esse pessoal era sério – mas o pessoal não recebeu grana nenhuma. Não sei se o cara pagou posteriormente, mas me pergunto como pode esse cenário amadoristico se manter aqui em Belém, todo esse imenso desrespeito com uma classe trabalhadora como qualquer outra.

Ser músico obviamente é uma merda. Mas ser músico em Belém do Pará é, definitivamente, um castigo. Karmarrific!



Fazia tempo…
agosto 20, 2009, 1:04 am
Filed under: Clave de Fá, Sarcasmo

Ao ouvir Icefire agorinha, me dei conta de algo: Fazia muito tempo que eu não ouvia essa música…

Tempos negros, amigos… Tempos amargos.



o direito de possuir guitarras
abril 6, 2009, 2:30 pm
Filed under: Clave de Fá, Sarcasmo

Do genial “Harvey Birdman, Attorney at Law”:

Como eles poderiam ter previsto o baixo fretless?! Como!?



The Sea Song
março 6, 2009, 5:25 am
Filed under: Clave de Fá

sea6

O oceano acena pra mim, em devaneios enquanto sentado no ônibus. Invade a minha mente, como a maré invade terra, floresta, casa, esquecendo limite ou fronteira. Me convida a um mergulho. Um daqueles que demoram bastante – do tipo na qual o mar seca antes de você sair dele. E ainda assim, tão poucas vezes eu vi o mar.

E por que ele é tão convidativo, então?

“Não é da minha conta”, sempre pensei – prefiro boiar, a deriva. Pat Metheny, por outro lado, deve-o saber. Fez uma das músicas mais belas que conheço e disse que era a música do mar. Acredito, acredito. Escuto e acho muito crível.

Dias desses, cansei de  esperar, tal qual uma caravela, que a brisa salina do mar me levasse para algum lugar (que nem sempre era bom, confesso). Aprendi os acordes cheios de líquens, as melodias lentas e graves sussurrando de dentro dos abismos infindaveis…. o ritmo que avançava como um monstro das profundezas.

E me perguntei mais uma vez então, por que é tão convidativo esse infinito azul da minha imaginação?

Só Metheney, eu e meu baixo sabemos.



Mais Piauí
julho 3, 2008, 7:04 pm
Filed under: Clave de Fá, Turist Guy

Acabei de achar um videozinho malandro de um trecho de nossa apresentação no mato… digo, Piauí – justamente o trecho que eu mais gosto, veja bem. Nesse trecho da Suite Regional, os bailarinos rebolam, rebolam e juram que estão imitando uma canoa. uma canoa rebolante, se for o caso. Confiram:

E a canoa vai rebolando…

Quem descobrir o que, nesse remendo de audio, devia ser o solo de baixo, ganha um pirulito.