Psicodélica


Cousas
maio 17, 2008, 10:51 pm
Filed under: Outros, Sarcasmo

As cousas funciona dessa forma mesmo. É inerente da vida, infalivel tal qual a gravidade (a menos que você more num buraco negro), fatídico como a morte, que se aproxima cada vez mais a cada docinho que alegremente saboreamos. As cousas são assim mesmo, um amontoado de situações que, de maneira nenhuma, você (tolo mortal) pode vencer.

Exemplos disso não faltam na minha tola vida. Veja bem, eu ensaio no confins mais obscuros e afastados da cidade, me desloco quilometros, milhas! Verdadeiras corridas de resistencia contra o tempo, o transporte público, o peso dos equipamentos ou contra a pericia dos assaltantes. Por si só, já seria uma dessas cousas que são assim mesmo. Mas imagine a alegria desta pequena criança quando, num surto de bondade e benevolência, o prôgenitor deste músico fôdido resolve lhe empresta o carro.

Munido desta maquina sangrenta e assassina, metamorfeseada de um inofensivo Uno Mille (Não se engane!), eu seria capaz de qualquer feito. Capaz de romper as próprias barreiras do espaço e do tempo e me deslocar pela infinitude do cosmos com velocidade ímpar – usando tanto gasolina ou alcool, veja bem! Nada podia dar errado!

Ah, mas como são as cousas. Deixamo-nos levar por elas, achamos que tudo está bem e… bem. Lá estava meu pai, sentado naquela mesa de bar, apreciando aquela cerveja que ele adora – e que ainda vai mata-lo um dia. Eu também estava lá, aparentemente sentado. Mas de verdade, eu estava meio que flutuando na cadeira, num estado de eterna expectativa e alerta, observando meu pai tomar a terceira saideira enquanto meu relogio, totalmente tresloucado, girava feito carrossel desgovernado.

No final das contas, se alguem quebrou as barreiras do espaço e do tempo, esse alguem acabou sendo meu pai, que tranformou uma singela cerveja num buraco entrôpico que me sugou quarenta minutos de existência que eu sequer desconfio para onde foi. Quando me percebi, estava totalmente atrasado para um ensaio do outro lado da cidade.

Morte Retangular

A Morte Vem em Ângulos Retos: Não se engane!!

Mas, após esta infinita espera, eu estava finalmente no controle deste neo DeLorean, se movendo à velocidade da luz. Ultrapassei o primeiro carro com ímpeto homicida. O segundo passou para trás como que sulgado pela entropia temporal do meu pai. O terceiro conseguiu me parar, enquanto o primeiro e o segundo passavam por min. Passei o terceiro e fiquei na cola do segundo, enquanto o primeiro e o quarto me ultrapassavam, tentei segui-los mas um quinto me bloqueou a passagem, e vi um sexto e um sétimo passando por min. Passei por todos mais uma vez e parei novamente atrás do terceiro que estava atrás de um quarto que estava atras de um quinto e assim sucessivamente até um centesimo nono. Eu estava preso num engarrafamento gigantesco, tinha que admitir.

Impedido de estravazar toda a potencia do carro, tive que me contentar com aquela sordida marcha por mais uma meia hora até conseguir chegar no cruzamento que ia me livrar da coisa toda. Voei para o ensaio, nada mais podia me deter, estava já chegando no local demarcado, quando eu vi aquilo.

Ora, ironia talvez? Não, não. Para quem me conhece, provavelmente consegue já me imaginar blasfemando, do inicio ao fim da situação contra qualquer Deus que pudesse, por ventura, estar ouvindo. E blasfemando muito. Nada mais justo – e coerente com a minha visão das cousas – que nada mais nada menos uma PROCISSÃO na única rua que eu conhecia para ir ao ensaio.

Procissão completa, com velas, cantoria, mini-carro som, violão e vozes desafinadas, num só coro, numa só progressão harmônica infinita, que duraria por horas. E eu posso dizer isso com jurisprudência: Por muito tempo, eu mesmo participei das procissões de Icoaraci (A veneza paraense!), portanto eu sei bem o inferninho que é, e qual é o tipo de gente que vai.

Ora, o que fiz? Taquei o carro atrás do santíssimo aglomerado, coloquei gentilmente no máximo o volume do carro, coloquei o CD do Spiral Architect e esperei. Sem estresse. Pra min pelo menos. Não consegui nada com isso, óbvio, a não ser um ou outro cidadão ofendido que proclama a música como diabólica. Enfim, com hora e meia de atrasso, cheguei ao local. Plugo meu baixo rapidamente, tentando evitar os olhares de reprovação, aumento o volume toco e…

Percebo que não sai som.

– Ah, Ribamar, a caixa falhou, olha. Hoje o ensaio só foi com percussão mesmo. Que sorte tua, né? ;]

Cousas que acontecem comigo.

Anúncios

1 Comentário so far
Deixe um comentário

As coisas acontecem duma forma engraçada na vida da gente, né?!
Na tua principalmente…
Humor negro do início ao fim. =X
(Adorei o post!)
BeijosMeLiga! xD

Comentário por Léli




Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s



%d blogueiros gostam disto: